sexta-feira, 10 de agosto de 2018

SOBRE O PRIMEIRO DEBATE: ERA MELHOR TER IDO VER O FILME DO PELÉ



Na última quinta-feira (09), aconteceu o primeiro debate entre os candidatos a Presidente. Temas relevantes nós tínhamos aos montes, e como a maioria dos candidatos não dispõem de tempo de TV para que consigam mostrar seus programas, o debate deveria ter sido melhor aproveitado por eles.

Não foi por falta de tempo, já que o debate durou pouco mais de três horas. Talvez o formato não colaborou muito, mas perderam uma grande oportunidade de mostrar o que eles planejam para o Brasil dos próximos quatros anos, sobretudo depois desse caos político e econômico que o país entrou após a reeleição de Dilma, que culminou no seu impeachment.


Ponto a ponto, eis que:

Bolsonaro: Conseguiu sair sem muitos danos, foi menos acionado do que se esperava, que por estar liderando as pesquisas se esperava artilharia pesada para cima do capitão. Além disso não trouxe nada de relevante.

Alckmin: Com aquele seu perfil morno do estereótipo político caricato, a cada palavra que falava, o ranço do centrão, da velha política e sua demagogia eleitoreira vinha junto, porém foi o que conseguiu responder a maioria das perguntas com coerência e muita técnica de campanha.

Marina Silva: Sempre moderada; continua cometendo os mesmos erros das campanhas anteriores, não é firme nas respostas e fica sempre em cima do muro em várias questões. Acaba que não agrada ninguém.

Boulos: Foi para o debate só para atacar o Bolsonaro, servindo de linha auxiliar para os outros candidatos. Até porque ser linha auxiliar é com ele mesmo.

Ciro Gomes: Foi menos incisivo que nas suas outras entrevistas, porém continuou insistindo que vai limpar o povo brasileiro do SPC/Serasa (??), depois foi isolado pelos outros candidatos, aparecendo pouco.

Meirelles: Mostrou que é um excelente ministro e só, muito técnico, qualquer presidente gostaria de tê-lo na sua equipe econômica.

Álvaro Dias: Foi só cumprir tabela, cheio de clichês contra a corrupção, jargões prontos e que nada acrescentou, além de ser muito limitado.

E por fim, o desconhecido Cabo Daciolo, que foi só para virar meme. Sua participação foi a cereja do bolo do péssimo debate público que o Brasil atravessa. Foi o ápice da vergonha alheia.

Como diria Boris Casoy, que muitos anos comandou a mediação dos debates na  Band: "Isso é uma vergonha".

Estou no Twitter: @vanildoneto
                             @BlogPoliticaAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário