sexta-feira, 31 de agosto de 2018

COLLOR FICOU À DERIVA



Collor sempre teve eleitores fieis, o que não pode dizer o mesmo sobre alianças políticas.

Seu principal aliado é o senador Benedito de Lira, que ganhou um palanque melhor do que tinha e ainda consegue fazer uma dobradinha com Renan Calheiros entre prefeitos e vereadores do interior. 

Mesmo eles estando em lados opostos.

Collor, que disputa o governo de Estado, é uma figura isolada, sem grandes alianças ou dobradinhas eleitorais.

A grande prova disso se mostrou ainda antes de iniciar a campanha eleitoral, quando Collor ainda almejava disputar a Presidência da República. Assim que anunciou a pretensão, recebeu espontaneamente diversos apoios de lideranças regionais e políticos.

Vários deputados, prefeitos e vereadores naquele momento tinham em Collor a figura do “líder que o Brasil estava precisando”.

Águas rolaram, e no apagar das luzes Collor decidiu lançar-se ao governo, constrangendo muitos daqueles que proclamaram seu nome como o único político possível ao Palácio do Planalto.

Collor e Renan Filho, vale destacar, correspondem praticamente as mesmas bases pelo interior do estado, o que causa muito constrangimento e dor de cabeça entre aos caciques políticos das cidades para declarar voto para um ou para o outro.

Muitos dos que na época exaltaram o nome de Collor para a presidência, hoje não dizem o mesmo do seu nome ao governo, pelo simples fato de já estarem aliançados com o governador Renan Filho. 

Por terem cargos e secretarias no governo, se calaram quando Collor se lançou ao governo e o deixaram sozinho a ver navios e num barco prestes a afundar. 

Estou no Twitter: @vanildoneto
                             @BlogPoliticaAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário