domingo, 30 de novembro de 2014

O POLÍTICO E O SEU CHUMBETA


O chumbeta, puxa-saco, bajulador, babão, são alguns adjetivos que usamos quando falamos de pessoas que possuem interesses um tanto quanto suspeitos. Lidamos com isso em qualquer lugar, os mais comuns são no trabalho, círculos sociais e é claro na política.

Um puxa saco é conhecido por rasgar seda, ou seja, elogiar alguém excessivamente com o objetivo de conseguir alguma coisa para o seu próprio benefício. Logo percebemos que isso é o que mais tem na política principalmente, pessoas que vivem para isso e que se ofendem com as críticas, até mais que o próprio criticado.

Com certeza você conhece um. Sim conhece, é aquele que geralmente se diz assessor de fulano de tal, que transita livremente nos meios políticos e é admirado por parte de uma sociedade estranha. O pior disso tudo é que com o passar do tempo ser chumbeta (como falamos aqui no nordeste) deixou de ser motivo de vergonha, agora eles se orgulham dessa “profissão”, antes o que não passava de pura promiscuidade obscura e escondida, em certas regiões são até condecorados, e o pior, se tornam um modelo a ser seguido, por puro interesse e incapacidade de produzir algo que seja de fato reconhecido que não seja por sua incansável bajulação.

Mais repugnante que um político corrupto só o chumbeta desse político. O que esse político não sabe é que “seu chumbeta” busca uma única coisa, tomar o seu lugar, e até que outro político ofereça algo melhor, ele sairá pela porta dos fundos sem lhe prestar alguma satisfação e levará todos os seus podres, de bandeja para a “concorrência”.

De fato o chumbeta e seu “deus político” que nunca erra e nada faz de errado se merecem, mas não podemos endossar essa “profissão” vergonhosa, que em terras tupiniquins ganha cada vez mais status de alguma coisa.

Estou no Twitter: @vanildoneto
                             @BlogPoliticaAL




Nenhum comentário:

Postar um comentário