terça-feira, 10 de junho de 2014

VILELA TERMINARÁ PRATICAMENTE SOZINHO


O Governador Teotônio Vilela (PSDB) terminará seu segundo mandato em dezembro deste ano, foram oito anos de altos e baixos, mais baixos que altos é verdade, mas algo me chamou atenção nos últimos meses, Vilela não tem mais aliados graúdos ao seu redor, vem terminando seu segundo mandato praticamente sozinho, arrastando Eduardo Tavares, neófito na política para uma das eleições mais disputadas dos últimos tempos, e a mais difícil para o grupo palaciano, principalmente. Talvez esse tenha sido o motivo do afastamento da base aliada, a escolha por Tavares não agradou boa parte, para não dizer todos.

Thomaz Nonô (DEM), seu vice, seria o candidato natural à sucessão - (vale ressaltar que em dois mandatos, Téo teve dois vices) - mas pesou a vontade do PSDB Nacional em ter um candidato do partido. Daí surgiu os nomes de Marcos Fireman e Luiz Otávio Gomes (LOG), super secretários de confiança de Téo Vilela ao longo de seus mandatos. Fireman começou a montar uma mega estrutura para sua campanha na esperança de ter seu nome aclamado para o posto, não foi. LOG não deu muita trela para as especulações e deixou a onda levar, depois disso então veio o nome do atual prefeito de Maceió, Rui Palmeira, que garantiu seu compromisso com seu recém/atual mandato e que não cogitava abandonar o barco. 

Biu de Lira (PP) que se diz candidato bem antes de todos estes achava que conseguiria ser o candidato do Palácio. Vilela em seu melhor estilo de empurrar com a barriga, aquele amigo que apoia todo mundo, conversou desconversou até que de fato assumiu lançando o nome de Eduardo Tavares, esse sendo o novo, termo já esgotado por todos os candidatos antes mesmo das eleições começarem.

Depois disso, foi uma debandada só, quem tá quer sair, quem saiu tá com Biu, algo realmente inusitado se tratando principalmente de um candidato que está com a máquina nas mãos. Fireman e LOG, esses do PSDB de Téo e Tavares ainda não se pronunciaram em apoio ao candidato do partido, recentemente o Democratas anunciou a imprensa que irá conversar também com as demais bases políticas e avaliar o cenário, se perder o DEM, o PSDB perde o que já não tem em tempo de TV e rádio, fica cada vez mais difícil.

Téo Vilela já foi amigo-irmão de Renan Calheiros, faziam dobradinha para o senado, não mais. Conseguiu apoio de Ronaldo Lessa quando esse deixara o governo em 2006, não mais. Passou por Cícero Almeida em 2010 com o prefeito de Maceió em alta popularidade, não mais. Sem contar que Téo é o tucano mais petista que já vi. Até mais que o próprio PT alagoano. E isso não é prática única do governador alagoano, em todo Brasil é do mesmo jeito.

Como bem disse o jornalista Ricardo Mota em seu blog: "Nada surpreendente, em se tratando de política: o inimigo de hoje é o aliado de amanhã e vice-versa. Quem não tiver estômago preparado para digerir esse tipo de mistura, é melhor nem sair de casa". 

E digo mais aos fanáticos/alienados/alucinados/partidários, até as convenções é melhor ninguém sair por aí falando de ninguém para não queimar a língua depois.

Estou no Twitter: @vanildoneto
                              @BlogPoliticaAL

Nenhum comentário:

Postar um comentário