quinta-feira, 26 de junho de 2014

AFINAL, O QUE TEM NA GASOLINA DE ALAGOAS?


É público e notório que Alagoas possui um dos combustíveis mais caros do País, não é a única coisa mais cara no estado - é verdade - mas é a mais sentida no bolso do consumidor em relação aos estados circunvizinhos. O alagoano acostumou-se a isso e nem discute mais, no entanto nos últimos meses o que se notou foi uma variação de preço cada vez maior num curto prazo de tempo. Semana sim, semana não, a maioria dos postos tem adotado esse procedimento ainda com motivação desconhecida.
O preço da gasolina se encontrava estagnado há algum tempo no valor em média de R$ 2,98, quando a mídia divulgou o mais recente reajuste os postos ironicamente baixaram o preço, ficando em torno de R$ 2,91, R$ 2,93. É fácil constatar, basta atravessar a Fernandes Lima de uma ponta a outra e observar as placas na entrada dos postos, cada dia um preço diferente.
Outro ponto a se observar é como os preços da gasolina mudam dependendo da região onde ele é ofertado. Por exemplo: Na região entre o Aeroporto Zumbi dos Palmares e a rotatória da PRF o preço fica em média R$ 2,91 a R$ 2,93. Já na região do Tabuleiro dos Martins o preço gira em torno de R$ 2,93 a R$ 3,09. No entorno do bairro do Farol fica geralmente no mesmo patamar do Tabuleiro, mas essa semana surpreendeu com um valor muito abaixo do comum, R$ 2,86 sendo pago à vista. (Ainda tem isso). Na Via Expressa então, de R$ 3,00 pra cima.
Será um cartel? 
Nenhuma autoridade tomou alguma providência, tampouco questionou a postura dos empresários do setor. Talvez – espero eu que seja – pela nossa emperrada burocracia que impede trâmites simples de investigação, ou até, sendo mais grave, a falta de atenção dos órgãos competentes, mas o que eu realmente espero não seja feita vistas grossas para essa postura que é no mínimo muito suspeita.
Estou no Twitter: @vanildoneto
                                @BlogPoliticaAL


Um comentário:

  1. Nobre amigo... Uma coisa que sei que eles fazem, mas acho que é contra o código do consumidor é vender a gasolina com preços diferentes para cartão e dinheiro.

    ResponderExcluir