quinta-feira, 15 de março de 2012

AS ELEIÇÕES NAS PRISÕES



Vejam bem diletos amigos, normalmente nessa época acontece de tudo, como o  paraibano contador de “causos” Jessier Quirino, relata em uma de suas músicas de maior sucesso “Comício em beco estreito” que em uma de suas estrofes fala: “Aí é subir pra riba, Meia dúzia de corruto, Quatro babão, cinco p...,Uns oito capanga bruto, E acunhar na promessa , E a pisadinha é essa: Três promessa por minuto.” E que apesar  de já fazer bastante tempo de sua composição, a cada eleição ela fica mais atual ainda mais na terra dos marechais, onde a cada quatro anos reaparecem fantasmas, e tantos outros teimam e não serem exorcizados, se locupletam na miséria alheia, torcem para que a seca persista, para prometerem os canais milagrosos, ou “surfam” nas enchentes devastadoras, que se agravam pela inércia criminosa dos governantes, que tem o DEVER de cuidar da coisa pública mas fazem de suas gestões, “currais” eleitorais para se perpetuarem no poder, através da violência e do enriquecimento ilícito.

Agora nas eleições que ocorrerão em outubro, iremos ver muito candidatos nos presídios em todo Brasil. Mas não se animem, que infelizmente eles não ficarão atrás das grades, mas o sistema penitenciário, que antes só era lembrado nas rebeliões ou em visitas de “comissões” resolutivas de todas as chagas existentes, agora será um grande filão, pois tendo em vista que 44%(quarenta e quatro por cento), dos quase quatrocentos mil detentos do país irão poder votar, com certeza serão lembrados, e não se assustem ao verem alguns políticos entrando nas unidades penais, não procurem as algemas por que dessa vez eles podem não estarem se esgueirando como “gabirus”, ou queimando como “taturanas”, mas estarão com certeza conservando a periculosidade habitual.

Caros Companheiros, se para nós que somos as “cabeças pensantes”, muitas vezes somos ludibriados ou deixamos nos ludibriar por promessas ou interesses particulares, esquecendo muitas vezes de lutas outrora combatidas, e sujas de sangue por quem queria acabar com a política do “pão e circo”, e fazer das eleições um verdadeiro exercício de cidadania, e não apenas uma maneira de se lucrar a cada quatro anos, como podemos exigir qualidade de voto dos reeducandos,  que diga-se de passagem nunca foram educados, na sua base estatal, como se ressocializar, quem nunca se socializou, tendo que viver desde a condição de nascituro nos guetos sociais espalhados no Brasil, e tendo no seu cotidiano a convivência no cárcere, como um “lazer”dominical.

Portanto companheiros, não se iludam com esse “avanço democrático”, e agora mais do que nunca, temos que ficar vigilantes, não apenas no nosso serviço diuturno, mas também nos abusos eleitoreiros, que com certeza irão acontecer, mas pelo menos tentaremos evitar que a compra do voto ocorra, se pelo menos isso acontecer, serão quase cento e oitenta mil votos “honestos”, de repente a mudança política no país, pasmem pode começar no presídio.


Por: VITOR GOMES

Bacharel de Direito, Pós Graduado em Política e Estratégia e Agente Penitenciário do    Estado de Alagoas.

8 comentários:

  1. Estou bastante orgulhoso em saber que neste meu "Brasil Varonil" existem pessoas com a consciência e a coragem de redigir um texto como este.
    Creio que isso servirá para que as pessoas parem de agir pensando em benefícios próprios e sim comecem a pensar no que seria melhor para a sociedade em geral!
    Mas no final das contas os mais beneficiados serão os "coronéis" que continuarão como sempre com o poder mantido em suas mãos.

    ResponderExcluir
  2. Grande, Vitor Gomes. Tive o privilegio de ter apreciado esse texto antes de ser publicado. Nada mais é que um relato de quem conhece melhor que ninguém todo o sistema prisional e acompanha há anos essas "visitas" (infelizmente, meras visitas) dos candidatos aos presos que apenas são lembrados no periodo de campanha eleitoral. Infelizmente essa é nossa realidade. Ah se os presos fossem tão inteligentes como quando vão praticar os crimes, e dessem a resposta que esses politicos merecem.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, Vitor. Excelente texto. Sou sua fã!!!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, meu amigo. Um texto altamente motivador. Mostra, em detalhes, o que muitos não possuem coragem de expressar. Continue assim com essa sua simplicidade e excelência. Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Uma questão de relevância e de grandes questionamentos, porém, para uma cultura voltada para o carnaval, o futbol e o cachaça, o que esperar?
    Ótimo texto Vitor!!

    ResponderExcluir
  6. Parabéns excelente texto, com uma visão de quem de fato visualiza a realidade do sistema prisional, devemos sim ficar alerta, talvez assim, a reeducação tão falada e almejada possa está se concretizando aí com os votos "honestos" como você cita.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto, e depois de lê-lo e refletir, me veio uma pergunta em minha mente caro colega e amigo:
    "Ocorre que, com essa abertura do sufrágio univesal para custodiados não será possível e mais fácil os mesmos colocarem um representante legalizado de seus interesses diretos para legislarem em causa própria?"
    Penso eu que estamos dando sorte ao azar, mas isso é só um pensamento...

    ResponderExcluir